Agora a moda é ser vlogger

Por Letícia Ferreira

Who run the world? Beyoncé, claro! É o que diria qualquer fã da cantora, como Anne Carolina. Uma jovem de apenas de 17 anos e responsável pelo vlog “Não sou obrigada a nada”. Os vloggers ou youtubers, assim como a Anne, são pessoas conhecidas na web pelos conteúdos audiovisuais que produzem e distribuem nas redes sociais.

+ Veja também: “Que nega é essa” que conquistou a internet?

+ Saiba mais: Conduzindo nações através de tendências

+  Feminismo e os blogs

Não Sou Obrigada a Nada

O mundo de redes sociais de uma vlogueira / Reprodução: Não Sou Obrigada a Nada

No Brasil, pessoas ou grupos que promovem discussões com uma linguagem leve sobre assuntos importantes na realidade brasileira, já têm grande público ou estão em ascensão, como é o caso do “Não sou obrigada a nada”.

“Eu comecei a fazer vídeos porque eu era muito fã da Beyoncé e a defendia com unhas e dentes”, comenta Anne, sobre o começo das suas publicações na web. O conteúdo dos vídeos mudaram, e o “Não sou obrigada a nada” fala agora sobre cabelo crespo, racismo e autoestima negra. Anne sentiu que precisava compartilhar os ensinamentos que adquiriu durante seu amadurecimento pessoal.

Anne ao natural / Reprodução: Não Sou Obrigada a Nada

Anne ao natural / Reprodução: Não Sou Obrigada a Nada

É por isso que ela se considera muito próxima dos seus seguidores e seguidoras: “até hoje me assusto, mas é importante pra mim. Meu relacionamento com quem me segue é completamente baseado em amizade, não as vejo como seguidoras, e sim como amigas que admiram meu trabalho”.

+ Confira o vídeo: “As crespas respondem”

O canal da Anne no youtube foi criado em janeiro deste ano, e já possui 638 inscritos. No Facebook, o alcance da vlogueira é maior, são cerca de 7.500 seguidores.

Se você ficou curioso e quer conferir outros exemplos de vloggers e youtubers brasileiros interessantes no Brasil, dá uma olhada na lista que preparamos para você:

Canal das Bee – O grupos discute questões como homofobia,transfobia, bifobia, lesbofobia e machismo.

Rayza Nicácio: ensina cuidados para cabelo cacheado

Jout Jout Prazer: fala sobre a vida, mas também cria conteúdos sobre como ser mulher e conviver com menos machismo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s