Custo do PAC do Asfalto aumenta e Bauru pode adiar aprovação das obras

Lideranças sugerem que a decisão seja deixada para a próxima administração; valor aumentou cinco vezes do que foi aprovado pela Câmara em 2013

 Ana Luiza Martins

 O valor das obras do PAC do Asfalto aumentou em cinco vezes em relação ao aprovado pela Câmara de Bauru há dois anos. O primeiro edital foi impugnado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), mas a licitação de obras foi relançada no último dia 6 de agosto. O impasse da aprovação se deve ao aumento do valor que o município irá pagar pelo feito: estima-se que os custos tenham aumentado em 411%.

Inicialmente, o investimento total em pavimentação e galerias pluviais estava previsto em R$ 45,3 milhões, dos quais R$ 2,7 milhões seriam pagos pelos cofres municipais. O restante seria devolvido aos cofres da União ao longo dos próximos vinte anos, com juros de 9% ao ano. Agora, as condições do financiamento permanecem, mas o custo subiu para R$ 52,6 milhões. O valor emprestado seria de R$ 38,7 milhões, mas o executivo teria que desembolsar R$ 13,8 milhões. Caso a licitação seja aprovada, o valor deverá ser pago entre 2016 e 2017, período em que as obras seriam realizadas.

Lideranças políticas como a vice-prefeita Estela Almagro (PT) sugerem que a licitação seja deixada para a próxima administração, dado o atual momento econômico do país. Em entrevista ao JCNet, o secretário Sidnei Rodrigues associou o aumento dos custos a vários fatores, mas o principal seria a demora para a contratação das empresas que irão executar as obras de infraestrutura.

Até a solução do impasse, as 703 quadras da cidade que seriam beneficiadas permanecerão sem pavimentação. Entre os afetados, está a aposentada Maria Conceição Santos, 63, moradora do Parque Bauru. “Eu espero pelo asfalto há 20 anos. É difícil ver que as coisas ainda vão demorar para se acertar e dependem de vontade política. Isso vem sendo deixado de lado há anos”. Assim como ela, outros moradores do bairro reclamam da demora. A assessoria da Câmara foi procurada para comentar o caso, mas não retornou o contato até o fechamento desta reportagem.

Foto: Ricardo Ursulino/Divulgação

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s