Mulheres são a maioria do eleitorado, mas ainda não conquistaram metade dos cargos políticos

A inserção do voto feminino não facilitou a ocupação do espaço político por elas

Por Thais Viana

12656501_955138141229751_637892278_o

Primeira Presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, é um dos ícones da mulher no poder (Foto: Jornal Grande Bahia)

A conquista do voto feminino completará 32 anos este ano. O direito foi inserido na constituição pelo presidente Getúlio Vargas em 24 de fevereiro de 1934 após fortes reinvindicações de movimentos feministas no Brasil. No entanto, ficou permitido o voto para mulheres com renda própria ou autorização dos maridos. Dessa forma, ficou claro que era uma conquista para as mulheres da elite.

Para Marta Leone, professora e pesquisadora da Universidade do Estado da Bahia, a conquista significou mais do que uma vitória restrita a uma classe social, “o voto feminino foi uma conquista dos movimentos feministas e femininos do inicio do século XX”. Ela destaca como primeira luta das mulheres no mundo ocidental o direito a educação do século XVII até metade do século XX.

Apesar disso, as mulheres só conseguiram votar após o fim do Estado Novo, uma ditadura imposta por Vargas, que durou de 1937 a 1945.

Esse atraso da participação feminina corresponde a 40 anos quando comparado aos direitos políticos dos homens e isso reflete até hoje. Apesar das mulheres representarem 51,4% da população eleitoreira e 37,3% serem responsáveis economicamente pelas famílias em 2014, segundo o IBGE, elas ainda são apenas 13% ocupando cargos políticos em 2015, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Esse resultado se deve a forma como nossa sociedade foi organizada, de forma patriarcalista – Os homens atuam no espaço público e suprem a família financeiramente, já as mulheres atuam no espaço privado, cuidando do lar e da família, executando os afazeres domésticos.

O Brasil em dezembro de 2015 ocupava a 118º colocação no ranking da União Interparlamentar (IPU) que avalia a participação feminina na política em cargos legislativos: são apenas 51 mulheres deputadas para os 513 cargos. Ele está atrás de países como Ruanda, Senegal e Gana.

Para diminuir essa disparidade, desde 1995 as poucas mulheres que participam do congresso nacional têm sugerido cotas para aumentar a participação feminina. As cotas logo de início não obtiveram muito sucesso, pois os textos legislativos dos anos 1995,1997 e 2009 deixavam brechas para os partidos burlarem. Em 2015 o Senado aprovou a proposta de emenda à constituição (PEC) 98/2015 que assegura um mínimo de representação nas três próximas legislaturas: 10% das cadeiras na primeira legislatura, 12% na segunda e 16% na terceira. A medida vale para Câmara dos Deputados, Assembleias Legislativas, Câmara Legislativa do Distrito Federal e Câmaras Municipais. Legislatura é o período que compreende quatro anos, um intervalo de tempo em que o Congresso Nacional eleito tem competência para exercer o Poder Legislativo. Leone comenta que é através de iniciativas como essas que as mulheres serão inseridas, mas tem outro questionamento quanto ao que os partidos têm investido nas candidatas, “uma daqui da Bahia, que tinha uma boa base política era vinculada aos movimentos sociais e durante muito tempo foi presidente do sindicato das empregadas domésticas. O tempo dedicado no rádio e TV para propaganda a propaganda da candidata não possuia nenhum atrativo frente ao material de outros candidatos (homens) do partido. Pergunto qual a chance dessa mulher em conseguir ser eleita? Aliás, ela ainda não conseguiu”.

Em 2014 a participação aumentou em 46,5% analisando todos os cargos, segundo o TSE, mas não tem sido o suficiente. As mulheres ainda enfrentam muitos preconceitos de seus colegas de trabalho. Além disso, o acolhimento delas não é adequado. Em janeiro, deste ano o Senado comunicou que construiria um banheiro feminino dentro das dependências do prédio, após 55 anos da sua inauguração.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s