Ataques em Londres deixam sete mortes

Atentados na região da London Bridge são reivindicados pelo Estado Islâmico

 

Por Laura Botosso

Na noite deste último sábado, dia 03/06, mais um atentado chocou a Europa, dessa vez em Londres, na área da London Bridge e arredores. Por volta das 22hrs locais (e às 18h do horário de Brasília), uma van atropelou entre 15 a 20 pedestres em cima da ponte, e no Mercado Borough houve esfaqueamento dos transeuntes. Pelo menos quarenta e oito pessoas ficaram feridas e sete morreram, segundo a Polícia britânica. Três das vítimas foram identificadas como agressores, e faleceram durante troca de tiros com agentes. As informações são do Universo Online.

Na região, hotéis próximos foram evacuados; duas estações de metrô foram fechadas e a empresa de transporte da cidade alertou para “as pessoas evitarem a área”.

Outro esfaqueamento ainda foi registrada pela polícia na noite do sábado, no bairro de Vauxhall. Este, no entanto, foi descrito como “crime comum” e isolado dos casos anteriores, segundo matéria da Folha.O atentado foi antecedido por uma série de outras ocorrências, algumas delas muito semelhantes: um motorista jogou seu carro em cima de pedestres na ponte de Westminster no dia 22 de março, e em seguida esfaqueou um agente da polícia que guardava o Parlamento Britânico; dois meses depois, ao final do show da Ariana Grande, em Manchester, um britânico de origem líbia se detonou, causando a morte de 22 pessoas.

À 00h25 do sábado, as autoridades britânicas declararam os ataques serem ações terroristas, e no domingo seguinte (04) os episódios foram reivindicados pelo Estado Islâmico, através de mensagem divulgada na Amaq.

Atendimento prestado para os fãs que estavam assistindo o show de Ariana Grande quando ocorreu o ataque.(Foto:ANDREW YATES)

Perguntado quanto a veracidade dessa reivindicação, Maximiliano Vicente julga a proposta dos atentados como idêntica à do grupo islamista: encarar o Ocidente como um problema, especificamente os países que dão suporte (seja político, financeiro e/ou armamentício) às investidas contra o território Islâmico. A França e a Inglaterra seriam exemplos. No país britânico, ainda estariam envolvidas as eleições parlamentares, que ocorreram na semana seguinte ao ataque. Para Vicente, as investidas visavam atingir Theresa May, devido à sua ideologia política conservadora.

 

Tags: London Bridge, Mercado Borough, Universo Online, Estado Islâmico, Amaq, ponte de Westminster, Ariana Grande, matéria da Folha, Maximiliano Vicente, Theresa May.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s